Skip to content

Alemanha paga dívida e termina com a Primeira Guerra Mundial

28 de setembro de 2010

Com uma polpuda canetada para os Aliados, a Alemanha deu fim a primeira grande guerra.

Não meus amigos, não é um aniversário do fim da primeira guerra mundial. Hoje, 28 de Setembro de 2010, a Alemanha pagou a última parcela do “carnê” de ressarcimento aos aliados pelos danos causados na guerra. Com isso, a dívida está paga e guerra chega ao fim.

O jornal inglês, Daily Mail, divulgou hoje a notícia em seu site. Noventa e dois anos após o fim dos combates e das mortes de 15 milhões de pessoas (entre civis e militares) nos campos de combate, a primeira guerra mundial chega ao fim. Ao longo dos 92 anos, a Alemanha pagou aos aliados um total de 24 bilhões de libras esterlinas, valor estipulado em 28 de Julho de 1919, no Tratado de Versalhes. 

O Jornal alemão, Bild, colocou “Domingo, a última conta da reparação pela primeira guerra, finalmente foi paga” Com o fim da primeria guerra mundial, o combate não resolvido mais antigo do mundo é a Guerra da Coreia, estacionado pelo armísticio do Paralelo 38º em 1953, que dividiu a Coreia em dois lados, Norte e Sul.

Mal sabiam eles

A dura punição imposta aos alemães tornou-se um grande revés aos aliados, especialmente ingleses e norte-americanos. O principal motivo para o surgimento do Partido Nazista na Alemanha foram os crescentes problemas econômicos, em grande parte causada pela dívida e pelo Crash da Bolsa de NY em 1929.

A história após a punição aos alemães nós conhecemos, exército reduzido apoiando operações da Guerra Civil Espanhola, perseguição aos judeus que prosperavam economicamente e etc. O estopim estava armado, os “juros” viriam anos depois para Londres, Paris e Bruxelas, principais cobradores da dívida, foram as ações táticas de guerra mais rápidas existentes, a Blitzkrieg, tomando a França em seis semanas. 

Outra meia dúzia de semanas de bombardeios em Londres pelos experientes pilotos da força aérea alemã e a batalha mais sangrenta da história belga, a ofensiva do Ardenes, a última linha de ataque alemã; além de parte de sua infraestrutura destruída e o país devastado pelas baixas, civis e militares durante a guerra. Sendo necessário reconstruir o país com um valor bem mais alto que os £24 bilhões.

Em suma, a guerra não tem preço e os aliados aprenderam do pior modo.

2 Comentários leave one →
  1. todynho permalink
    15 de maio de 2014 11:13

    oiii meu nome e todynho chupa meu canudinho

  2. BRAÇO FORTE permalink
    5 de outubro de 2010 20:39

    Não poderia deixar de fazer uma reflexão comparativa entre a realidade da dívida alemã durante o pós-guerra com a realidade brasileira em um momento histórico em particular. Ao contrário do que a tradição histórica sempre alinhavou, o Brasil talvez tenha sido a única Nação no mundo que, após sair vencedora de uma guerra, tenha pago uma vultosa “indenização”.

    Refiro-me ao Pós-Guerra pela Independência quando, no ano subseqüente, o Tratado de 29 de agosto de 1825, intermediado pelos ingleses, oficializou o reconhecimento de nossa independência pela Coroa Portuguesa mediante o pagamento pelo Brasil de assombrosos 2 milhões de libras esterlinas, abrindo o caminho para que as demais monarquias européias também se sucedessem no reconhecimento.

    No entanto, a infalível tradição histórica predatória volta a funcionar contra o Brasil quando, na condição de nação recém-formada, fica sem condições de pagar a pesada indenização estabelecida pelo tratado de 1825, inclusa em cláusula secreta. Nesse momento, os ingleses emprestaram os recursos que asseguraram o pagamento deste valor. Na verdade, o dinheiro nem chegou a sair da própria Inglaterra, já que os portugueses tinham que pagar uma dívida equivalente aos mesmos credores. Dava-se, assim, o início de nossa massacrante dívida externa, uma conta de origem lusitana onde o vencedor reparou o vencido.

    O tempo foi passando, o mundo girando, se transformando, e a dívida externa aumentando e se auto-alimentando através da aplicação imoral de taxas de juros exorbitantes. Antes e depois do presidente Prudente de Morais, todos os demais presidentes se submeteram ao serviço da dívida, que continuou a crescer. Como foi dito, apenas o presidente Prudente de Moraes, em 1896, se negou a reconhecer tal dívida. Não reconhecia a dívida, portanto não havia o que renegociar. Para se ter uma dimensão do quanto a conta pesou no nosso bolso, comprometendo o bem estar de gerações futuras, em 40 anos, analisando um passado recente compreendido entre 1960 a 2000, a dívida passou de 1 bilhão de dólares, para 240 bilhões, mesmo depois do pagamento de mais de 600 bilhões de juros. Assalto em cima de assalto.

    É certo que a dívida foi paga e não estamos mais ao seu serviço. Mas não esqueçamos que nos livramos da ditadura da dívida graças a um pesado sacrifício social imposto ao povo brasileiro por mais de um século. Hoje, a Nação começa a conquistar um lugar ao sol frente a um mundo extremamente competitivo, perverso e assimétrico. De olho no passado e com os pés no futuro, devemos daí apreender muitas lições para que não nos esqueçamos dos sacrifícios de nossos antepassados!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: